Carregando

Espere um momento

O DÍZIMO SEGUNDO CAPITALISMO.

Se você ler estes versos
Não precisa dizer, sim!
Não só por eu ser poeta
Nem para agradar a mim!
Mas veja bem o teor
E se o versar tem valor
No tema que aqui aborda!
Pois o que mais tem no mundo
E falsário e vagabundo
SE JUNTANDO COM CALHORDA!
*
Enquanto cristão me sinto
Confuso e envergonhado
De ver tanta ladroagem
No nosso Brasil amado!
É gente vendendo fé
Em nome do Nazaré
Por ser um falso profeta!
Que pula e faz escarcéu
Vendendo carnê pra o céu
PRA DEPOIS VIVER DE FESTA!
*
Usando o nome de Deus
Vivem alguns parasitas,
Que gritam dão cambalhotas
Parecendo até artistas!
E assim vão enrolando
O povo que vai tirando
Do bolso cada vintém!
E sem saber que o fascismo
Impera em nome do dizimo
O INFELIZ DÁ O QUE TEM!
*
Em nome do Pai Maior
Eles prometem riqueza
E aqueles de poucas poses
O reino da realeza!
Mas pra riqueza alcançar
O *infeliz* tem que pagar
Tornando-se bom obreiro!
E por ser ganancioso
O égua todo ditoso
CONFIA NO TRAPACEIRO!

Direitos autorais protegidos
Pela Lei nº. 9.610 de 19/02/1998.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *