Carregando

Espere um momento

XILOGRAVURA – O que é, História e Origem

Xilogravura

Assim como o próprio cordel, a xilogravura chegou ao Brasil através dos portugueses em 1808, quando a família real chegou ao Rio de Janeiro. Primeiro tiveram destaques nas capitais, ilustrando periódicos, anúncios, rótulos, cartas de baralhos e etc.

Eu, Assis Coimbra, ouso dizer que ela tem grande parentesco com as iluminuras (o termo “iluminura” era geralmente empregue para designar o conjunto pictórico de carácter decorativo ou ilustrativo que geralmente acompanhavam os textos dos códices e dos livros manuscritos do período medieval.)

Os primeiros folhetos de cordel (cordel porque em Portugal e Espanha, eram vendidos pendurados em barbantes) no Brasil, principalmente no Norte e Nordeste, eram conhecidos como “romance” (independente do fato ou estória narrada no “miolo”). Os primeiros que surgiram no Brasil não tinham qualquer tipo de desenho na capa (com capa “cega”, sem imagem nenhuma), constando somente o título e o nome do autor. Geralmente, as capas eram feitas em papel rústico de cores vibrantes, como amarelo, verde, vermelho, azul, enfim. Para melhor aceitação, os poetas e editores começaram a colocar nas capas fotos de artistas famosos. Após esse período, começaram a fazer uso frequente da xilogravura no cordel. Tanto é que quando falamos em xilogravuras, lembra-se de cordel imediatamente, pois deu-se um casamento perfeito com a “xilo” na capa, retratando rapidamente os versos narrados ou a estória.

TECNICA DA XILOGRAVURA.

Xilogravura é uma técnica de reprodução de imagens e textos, em que é utilizada a madeira como matriz.

A madeira é entalhada à mão utilizando-se um “buril” ou qualquer material cortante e pontiagudo.

A xilogravura mais antiga foi encontrada em território chinês, mais ou menos em 868. Dizem os estudiosos que era uma oração.

Aqui, irei citar alguns dos maiores nomes da xilogravura brasileira:

Abraão Batista, José Costa Leite, J. Borges, Amaro Francisco, José Lourenço e Gilvan Samico.

J. Borges é o principal nome da xilogravura popular brasileira. Sua primeira xilogravura para o cordel foi: “O verdadeiro Aviso de Frei Damião”, texto também de sua autoria. O poeta e xilógrafo, escreveu mais ou menos 200 obras sendo todas xilogravadas por ele. Hoje, sua arte é conhecida quase no mundo inteiro!

Assis Coimbra.

Xilogravura
Xilogravura
Matriz Xilogravura
Iluminura
Iluminura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *